sábado, janeiro 15

5Guardando na prateleira histórias dignas de registo (V)

 Um desafio em Julho de 2008, sobre uma pintura publicada aqui neste mural da minha C(l)ave - Partilha de uma muito querida (4), um acrílico sobre tela da minha Autora da Capa de Memória Alada -, resultou num conjunto de histórias que só me lembrei passados quase 12 anos de recolher para memória, e que são dignas de serem lidas por quem se quiser dar a esse trabalho. 

Segue-se a parte V:

Meu amigo de Emanon,

Envio-te por este meio de alta-tecnologia saudações do planeta terra. Continua quente este lado do planeta onde vivo,tenho sérias desconfianças que estamos no pico do verão. Que planeta estranho este é ...inverno! Bem, continuo a gostar mais de Emanon, é mais ameno e menos poluído. A cidade tem um nome estranho, Lisboa, está bonita mas as tágides andam um pouco malucas com o verão...o povo diz que é a época da reprodução... quando souber o que quer dizer prometo explicar-te.o pessoal daqui é estranho à brava, agora andam vestidos com umas calças que unem na zona dos joelhosexperimentei e acredita,aquilo é uma arma letal! ainda vão acabar com o planeta se continuam a usar aquelas calças mas há algo bastante curioso neste planeta...as crianças,umas pessoas pequeninas muto mais inteligentes que os adultos são muito parecidos com os Emanonianos. As pessoas que estão de férias parecem sair de um grande forno e as que estão a trabalhar estão na mudança de pelenão percebo a lógica nem uma ligação... tenho feito umas anotações sobre esta povoação,passo a citar: 1. as pessoas da terra vão para um areal enorme e poem creme(acho que é para agarrar melhor a areia) 2. bebem um liquido dourado com gás(nem me atrevi a provar)3.as mulheres usam uma especie de plataforma nos pés (se é para irem para o nosso planeta têm de se esforçar mais na altura) 4. tenho saudades tuas (ups este apontamento é meu) como podes ver... gente estranha... não há nada como Emanon. ja agora envio-te uma tela comigo sentado na perna de um desses estranhos seres...

beijoooooo emanoniano entre os teus belos orificios reprodutores... hehehehe!!!!

Por bono_poetry do tempocronométrico

Lá longe, no meia da terra do nunca, vivia Morgana, uma princesa deveras rebelde... Ela sonhava viajar para fora do seu reino, conhecer montes e vales, abismos e penhascos que nunca antes tinha visto, apenas os havia sonhado. Sonhava com tudo isso, montada no seu cavalo branco de crina cinzenta, a cortar ventos e tempestades ou simplesmente em belos dias de sol em que tudo era luz, assim como ela gostava.

Ela era muito meiga e de rosto muito iluminado, e o seu cabelo negro dava-lhe ar de guerreira. Uma guerreira bem menina, uma guerreira bem mulher, com tudo o que isso implica!

Certo dia, após o sol se pôr, bem no recanto mais escondido do palácio, Morgana encontrou-se com o seu mais fiel amigo, o sapo Artur. Este belo amigo, de pele bem escorregadia era o seu mais fiel companheiro, que a acompanhava nas mais diversas aventuras. Desde chatear a rainha mãe com as suas loucuras de menina rebelde, a dar cabo do juízo ao trovador que que insistia em cantar todas as cantigas de maldizer que ela não suportava bem na hora do jantar (quando não era logo ao pequeno almoço!). [Artur era quem a inspirava, apesar de todo aquele verde esquisito e daqueles olhos e... daquela pele estranha. Era sempre sincero no que dizia e quando Morgana o questionava com alguma dúvida ele tinha sempre uma resposta... uma resposta sempre sábia. Artur tinha sofrido um feitiço, uma vingança de alguém que ansiava pelo seu poder, alguém com um coração muito negro e maldoso e que apenas queria poder ( e foi só isso que conseguiu...). Alguém considerado fiel que o tramou e que conseguiu transformá-lo em algo... verde...Conheceu-o num dia bem chuvoso, em que Morgana estava revoltada com a sua vida, decidiu cavalgar no seu cavalo e ir até ao lago. Foi lá que encontrou Artur e com ele travou uma longa conversa, em que descobriram que tanto tinham em comum, apesar de toda a diferença física. Ficaram amigos e ele decidiu que não se importaria de morar no repuxo do castelo apenas para a ver, para se sentir feliz e acompanhado.. já que lhe tinham tirado o que de mais belo tinha...] Bem no escuro da biblioteca, onde apenas as velas ardiam, dando corpo aqueles doisa corpos tão diferentes, conversaram sem fim sobre os sitios onde Morgana desejava ir, e depois de Artur lhe contar verdadeiramente o que lhe tinha acontecido, ela não desistiu e porcurou até ao ultimo livro, um que le indicasse como quebrar toda esta maldade. Instalado na prateleira mais alta e carregado de pó, "Como quebrar Feitiços em 3 tempos!" estava como se ninguém há séculos tocasse nele. Morgana pegou e leu em letras bem grandes: Os feitiços só quebrarão quando se tem bom coração. Morgana acreditou muito, muito e quando pousou Artur em sua mão e lhe afagou a pele escorregadia, ouviu-se um som de estrelas a cair, como se todas as estrelas do céu se compenetrassem no seu pensamento. Aconteceu... Artur, transforou-se num homem, do qual ela tão bem conhecia. Artur, o grande Rei Artur... seu pai, do qual ela tanto amava, e que julgava que à muito tivesse morrido.
Abraçaram-se, como só pai e filha sabem fazer, num abraço tão apertado e tão deles que toda a terra parou... apenas para os sentir.


Uma Estória (15)

O melhor abraço do mundo...

- Dá-me um beijo, que vou virar o teu príncipe! - suplicava o sapo.
- Qual príncipe, qual carapuça! Eu quero é que me deixem em paz e sossego! Não gosto dos teus olhos! Não são doces!
- Vais arrepender-te! - ameaçava o sapo.
- Se fosses verdadeiramente o meu príncipe, não me tratavas assim. Tratavas-me com carinho e ternura, mesmo com a minha rejeição. Na volta, és daqueles que gosta de bater na mulher. És um triste!
- Bolas, miúda, vais ficar sozinha para sempre! - continuou o sapo com raiva.
- Antes só, que mal acompanhada! Não te esqueças que és apenas um sapo, posso sempre atirar-te pela janela fora...
- Atreve-te! - insinuou o sapo.
- Olha que é já agora! - levantou-se, pegou no sapo, abriu a janela e jogou-o do 15.º andar... Sentiu-se aliviada. Sonhava com aquela colega de turma que lhe dera um abraço no outro dia. O melhor abraço do mundo...

Por Cris do Procurar-se
---------


5 comentários:

  1. Coitado do sapo!:)))
    A vida não pode ser feliz para corações desapiedados...
    Beijinhos
    ~~~~~

    ResponderEliminar
  2. Num saltinho ( não de sapo) vim até aqui
    E gostei, gostei bastante destas " estórias"
    e por isso vou continuar a saltar :)
    braço*

    ResponderEliminar
  3. São curiosas as histórias destes jovens, aqui. Nota-se que ainda existe pureza nas suas ideias e fantasias.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  4. Me gusto la tercera historia te mando un beso

    ResponderEliminar
  5. Muito curiosas as 3 historias.
    Mostram consistência nos personagens
    Gostei

    ResponderEliminar

«Em cada um de nós há um segredo, uma paisagem interior com planícies invioláveis, vales de silêncio e paraísos secretos.»
(Antoine de Saint-Exupéry)