O meu Voo

sexta-feira

Outono Queimado


Outono queimado
em fogueiras de pranto
fumos espalhados
rios calados
(m)águas esvaídas
penas estendidas
em chão desolado

13 Comments:

ALUISIO CAVALCANTE JR said...

Querida amiga

As vezes penso
que meu coração
está assim,
parecido com
este campo...

Que a luz da vida
esteja sempre em teu olhar.

Vanuza Pantaleão said...

Dói, dói muito, ver tanta devastação!
Beijos, amiga Fa!

Petrus Monte Real said...

Fa,

É uma dor d'alma
assistir à sistemática destruição pelo fogo de toda a vegetação!

Sentimo-nos impotentes... e é esta sensação que nos entristece.

E o que é mais grave: agora, até já se prolonga pelo Outono dentro, altura em que supostamente já não correríamos riscos!
Esperemos melhores dias...
Hoje está um belo dia de Outono!

Abraço fraterno
Querida Fa

Fa menor said...

Amigos,
impõe-se uma informação relativamente à foto e consequentes palavras que lhe associei.

Trata-se de um campo de arroz que foi ceifado quando chegou à altura da colheita.

Só a palha foi posteriormente queimada.

Há anos idos essa palha era recolhida em carradas, para os animais, e guardadas em medas; mais tarde em fardos rectangulares, depois redondos grandes; uns e outros ainda se vêem, mas poucos, pois

ultimamente, devido à falta de consumo da palha, tem sido quase generalizado o deitar-lhe fogo.

E os campos ardem, provocando um espectáculo arrepiante de fogo e, principalmente, FUMO, de consequências nefastas para a saúde.

Por onde andam os ambientalistas?

tecas said...

Querida Fa, ou eu estou hoje muito sensível, ou os seus post são nostálgicamente belos. O homem...mais a sua triste evolução...
Bjito amigo e uma flor.

jorge vicente said...

onde anda a vida para que permita a desolação dos rios?

belo poema, amiga!

beijinhos!

BRANCAMAR said...

Triste sinal dos tempos!
O poema é lindo e triste ao mesmo tempo, mas denunciante.
Obrigada por denunciares, o ambiente é de todos nós.

Beijos

BlueShell said...

Sublime...
D’ “O Gladiador”
O que você faz nesta vida ecoa na eternidade.
Obrigada por estares aí!
Votos de Um Natal abençoado,
BShell

Vanuza Pantaleão said...

Que esse chão tão desolado volte a produzir frutos no ano que está nascendo...
Paz e serenidade!

Isabel José António said...

Já tinhamos saudades destes convívios de palavras!

Isabel

Vanuza Pantaleão said...

Por andam os ambientalistas?
Boa pergunta, amiga. Afinal, onde se esconderam esses "apóstolos" do verde?
Com carinho...

David C. said...

Que tiempos los que vivimos.
Saludos
David

luís rodrigues coelho Coelho said...

Um poema quente de Outono.
Os fogos que devastam e os rios que secam as nossas esperanças.

Agradeço o seu comentário em "A Colheita"